Como armazenar o seu alimento – O Guia Completo!

Home/Blog/Como armazenar o seu alimento – O Guia Completo!

Como armazenar o seu alimento – O Guia Completo!

Você sabe organizar e armazenar seus alimentos adequadamente?

A falta de organização e o inadequado armazenamento de alimentos podem resultar em diversos problemas, como:

  • Contaminação cruzada;

  • Dificuldade em encontrar produtos;

  • Temperatura inadequada dos alimentos;
  • Rápida deterioração;
  • Desperdício de produtos;
  • Gastos desnecessários.

Recomendações INICIAIS para disposição e controle no armazenamento:

a) A disposição dos produtos deve obedecer à data de fabricação, sendo que os produtos de fabricação mais antiga são posicionados de modo a serem consumidos em primeiro lugar (PVPS – primeiro que vence, primeiro que sai);

b) Todos os produtos devem estar adequadamente identificados e protegidos contra contaminação;

c) Alimentos não devem ficar armazenados junto a produtos de limpeza, químicos, de higiene e perfumaria;

d) Produtos descartáveis também devem ser mantidos separados dos itens citados anteriormente;

e) É proibida a entrada de caixas de madeira dentro da área de armazenamento e manipulação;

f) Caixas de papelão não devem permanecer nos locais de armazenamento sob refrigeração ou congelamento;

g) Alimentos ou recipientes com alimentos devem estar apoiados sobre estrados ou prateleiras das estantes, com espaçamento mínimo para circulação de ar (10 cm);

h) Alimentos que necessitem transferência de suas embalagens originais devem ser acondicionados de forma que se mantenham protegidos. Na impossibilidade de manter o rótulo original do produto, as informações devem ser transcritas em etiqueta apropriada;

i) Produtos destinados à devolução devem ser identificados por fornecedor e colocados em locais apropriados separados da área de armazenamento e manipulação;

j) Nunca utilizar produtos vencidos;

k) Quando houver necessidade de armazenar diferentes gêneros alimentícios em um mesmo equipamento refrigerador, respeitar: alimentos prontos para consumo dispostos nas prateleiras superiores; os semiprontos e/ou pré-preparados nas prateleiras do meio e os produtos crus nas prateleiras inferiores, separados entre si e dos demais produtos;

l) As embalagens individuais de leite, ovo pasteurizado e similares podem ser armazenadas em geladeiras ou câmaras, devido a seu acabamento ser liso, impermeável e lavável;

m) Podem ser armazenados no mesmo equipamento para congelamento (freezer) tipos diferentes de alimentos, desde que devidamente embalados e separados.

Agora vamos às especificações!

1) Armazenamento de marmitas
2) Armazenamento de frutas, verduras e vegetais
3)
Armazenamento de frutos do mar
4) Armazenamento de carnes bovinas
5) Armazenamento de frango

1) ARMAZENAMENTO DE MARMITAS:


A) Escolha pensada:
Selecione ingredientes frescos, preferencialmente orgânicos e da estação, que são mais saborosos, saudáveis para o corpo e meio ambiente e duram mais tempo. Se for congelar a carne pronta com o resto da marmita, prefira preparações com molho, cozidas, assadas ou grelhadas. Evite congelar vegetais crus, ovos cozidos, batatas, macarrão sem molho, maionese, preparações com creme de leite e queijos cremosos.

B) Choque térmico:
Cozinhe os alimentos por menos tempo do que o habitual, porque eles amaciam durante o processo de congelamento. Use também menos sal e temperos, que são realçados após congelados. Depois de cozinhar, a preparação deve ser resfriada rapidamente. Mergulhe a panela sem tampa em água com gelo para interromper o cozimento e conservar bem os alimentos.

C) Guarda-volume:
A comida deve ficar em um recipiente lavável, rígido, transparente e com tampa fechada hermeticamente. Quando houver líquidos, que se expandem durante o congelamento, deixe dois centímetros de sobra até a borda para não vazar. Marque a data de preparação e de validade –até cinco dias na geladeira (temperatura inferior a 5ºC) e um mês no freezer (não acima de -18ºC).

D) Hora do gelo:
Coloque na frente do freezer os alimentos com validade menor. Embalagens pequenas permitem retirar a quantidade certa de cada refeição, reduzindo desperdício. Não deixe o espaço superlotado: o ar frio precisa circular entre os alimentos. As portas devem estar bem vedadas para manter a temperatura correta. Uma sugestão é fechá-las com um pedaço de papel, se conseguir puxá-lo, é importante trocar a vedação do eletro.

 

2) ARMAZENAMENTO DE FRUTAS, VERDURAS E VEGETAIS:

Frutas e vegetais emitem naturalmente um gás inodoro, inofensivo e insípido chamado etileno.

Algumas destas frutas e vegetais produzem o etileno em quantidades maiores do que outros alimentos. Quando os alimentos que produzem etileno são armazenados junto a frutas e vegetais sensíveis a este gás, o etileno irá acelerar o processo de amadurecimento deste item.

Então, a primeira dica é separar os produtos que emitem etileno dos produtos que são sensíveis a ele.

Alimentos que produzem o gás etileno: maçãs, damascos, abacates, bananas, melão, frutas cítricas, figos, uvas, kiwi, manga, nectarina, mamão, pêssegos, peras, pimentão, abacaxi, ameixas e tomates.

Alimentos afetados pelo gás etileno: aspargos, brócolis, couve, repolho, cenoura, couve-flor, pepino, berinjela, alface, salsa, ervilhas, batatas, espinafre, abóbora, batata doce, agrião e inhame.

Detalhando frutas e vegetais:
Maçã
– armazene em um local fresco e arejado por até duas semanas. Para períodos mais longos, coloque-a na geladeira.

Frutas cítricas – guarde em um lugar fresco, com bom fluxo de ar. Não é indicado guardar estes alimentos na geladeira, já que eles tendem a absorver os odores do refrigerador.

Melão – antes de serem cortados, os melões devem ser armazenados em ambientes frescos e secos, longe da luz solar. Após o corte, armazene-os na geladeira em um recipiente coberto com película aderente para alimentos.

Abacaxi – o açúcar do abacaxi está concentrado em sua base. Por isso, você pode armazená-lo de cabeça para baixo por um ou dois dias em temperatura ambiente para permitir que a doçura se espalhe por todo o fruto.

Pêssegos (e outras frutas com caroço) – somente coloque na geladeira quando estiverem totalmente maduros. Estes tipos de frutas devem ser guardados em locais com temperatura ambiente.

Peras – para apressar o amadurecimento das peras coloque-as junto com as maçãs.

Morangos – os morangos não gostam de água, por isso, tome cuidado com a umidade. Deixe-os guardados no mesmo recipiente (geralmente caixinhas) que você comprou no mercado.

Cenoura – corte o topo da cenoura e guarde na geladeira em um recipiente fechado com bastante umidade.

Abobrinha – deixe em cima do balcão. Para períodos mais longos embrulhe em um pano e deixe na geladeira. O mesmo vale para a berinjela e brócolis.

Cebola, alho, cebolinha – armazenar em local fresco e escuro.

Tomates – a geladeira não é o lugar ideal para armazenar este fruto. Claro, eles ainda estarão bons, mas não como se estivessem naturais. Em vez disso, armazene o tomate em um local fresco, fora da geladeira e sem luz solar.

Pimentas – armazene em temperatura ambiente e mantenha-a livre de umidade até a hora de usar.

Batatas – armazenar em local fresco, seco e escuro, como em um canto escuro da despensa.

Manjericão (e outras ervas) – tomate e manjericão possuem necessidades semelhantes quando o assunto é armazenamento. O manjericão ama o calor, igual ao tomate. Os períodos prolongados em um ambiente frio, como em uma geladeira, fazem com que ele murche prematuramente. Coloque o manjericão em um copo de água, como um pequeno ramo de flores. Você pode cobrir o topo com um saco plástico ou toalha de papel umedecido para bloquear a umidade.

3) ARMAZENAMENTO DE FRUTOS DO MAR

A) Não deve haver água dentro da embalagem, nem sinal de recongelamento; a consistência deve ser firme, não amolecida, nem pegajosa; com odor característico; a cor característica dos filés, geralmente, é branca ou ligeiramente rósea.

B) Se o peixe estiver inteiro, a carne deve estar presa à espinha, o ventre desinchado, as escamas bem aderidas e brilhantes, guelras úmidas e intactas, olhos brilhantes e salientes, superfície não pegajosa. Pescados salgados, curados ou defumados podem ser recebidos em temperatura ambiente, desde que especificado na embalagem.

C) Camarões devem ter o corpo curvo e a carapaça deve ser transparente, deixando visualizar coloração dos músculos, aderente ao corpo e libertando-se sem aderências musculares, quando forçada. Olhos na cor negra e bem destacados; com odor característico e cor rosada ou acinzentada, de acordo com a espécie, sem pigmentação estranha.

D) Ostras, mariscos, mexilhões, vieiras não devem ter formação de cristais de gelo ou água dentro da embalagem; a consistência característica é esponjosa, gelatinosa, elástica; fechadas e com grande retenção de água incolor e límpida nas conchas. A carne deve estar aderida à concha e úmida; o odor deve ser o característico e a cor é cinzenta clara nas ostras, amarelada nos mexilhões e mariscos.

E) Lulas e polvos devem ter a pele lisa e úmida, olhos transparentes, carne consistente e elástica; odor característico; cor branca rosada, acinzentada, sem coloração estranha à espécie, como o vermelho.

3) ARMAZENAMENTO DE CARNE BOVINA

É importante saber que a carne é um produto perecívil que possui muita água, portanto, é mais vulnerável à ação de microorganismos, como bactérias. Você pode congelar quase toda carne bovina, menos miúdos e vísceras que devem ser consumidos imediatamente ou fervidos e mantidos na geladeira por no máximo dois dias.

A) Resfriando a carne na geladeira
A carne resfriada na geladeira deve ser consumida em até 3 dias, isto é, 72 horas, após a compra.
Para resfriar a carne, ao chegar em casa, coloque-a imediatamente na geladeira ou refrigerador que deve estar bem limpo. Também recomendamos colocar a carne em um recipiente fundo ou em cima de um prato, pois elas costumam gotejar um pouco de sangue que pode acabar parando em cima de outros alimentos.
Também lembre-se de guardá-la em um pote fechado hermeticamente ou na embalagem original, não deixando-a exposta na geladeira.

B) Congelando a carne
A carne congelada tem uma validade muito maior do que a carne resfriada, mas algumas precauções devem ser tomadas para aproveitá-la melhor. Primeiro, não tempere a carne que você irá congelar, pois ocorrerá alteração no seu sabor já que os temperos como alho e cebola sofrem alterações nesse tempo, assim, tempere apenas quando for consumi-la.
Para congelar, você pode retirar a gordura em excesso e ossos se a carne estiver fresca e
em nenhuma hipótese lave a carne com água antes de levá-la ao freezer. Além disso, a embalagem deve ser à prova de água e conter o mínimo possível de ar, por isso, carnes já embaladas à vácuo são ideais para serem congeladas.

C) Pode congelar carne assada?
Sim, você pode congelar carne assada! Se puder, fatie a carne em porções menores e congele o molho à parte. Bifes à milanesal, almôndegas e bifes à parmegiana também podem ser congelados prontos.

D) Quanto tempo a carne pode ficar congelada?
Em relação ao prazo de validade, carnes congeladas em pedaços têm prazo de validade de 8 meses, carne assada ou bifes crus têm prazo de validade de até 6 meses se congeladas, e carne moída tem prazo de validade de até 3 meses.

E) Rápido congelamento, lento descongelamento
Quanto mais rápido a carne congelar, melhor, pois menos cristais de gelo se formarão no seu interior, então tenha um freezer ou congelador forte para isso. Já em relação ao descongelamento, o processo para pedaços maiores é justamente o contrário: para manter a maciez, sabor e suculência, o ideal é que o descongelamento seja lento e dentro da geladeira, de um dia para o outro.
Nunca coloque a carne para descongelar fora da geladeira, pois isso irá favorecer a proliferação de bactérias e a perda de nutrientes. Após descongelar, a carne deverá ser consumida em até 24h e somente ser congelada novamente após estar assada.

F) Bifes e carne moída: direto do freezer para a panela?
Você pode levar bifes e carne moída congelada direto para a panela.
Isso acontece porque os bifes congelados perdem menos água e a sua parte interior demoram muito mais tempo para passar do ponto, permitindo que a parte externa fique dourada e a carne abaixo da superfície mantenha a sua suculência.
Entretanto, há duas precauções. A primeira é óbvia: a carne não estará temperada, então lembre-se de fazê-lo enquanto cozinha ou após finalizá-la.
A segunda precaução é fundamental para garantir a sua segurança: caso a carne esteja com uma camada de gelo na superfície, evite levar diretamente ao óleo quente, pois esse gelo irá derreter rapidamente e ao entrar em contato com o óleo, irá produzir chamas altas e perigosas. Portanto, para levar os seus bifes congelados à panela com segurança, primeiro congele eles em uma superfície plana com papel manteiga sem cobri-los, o que irá selar a carne e evitará a formação das camadas de gelo quando você for embalar a carne.

5) ARMAZENAMENTO DE FRANGO:

A) Compra
Para garantir a qualidade da carne de frango que você consome, é importante estar informado e atento desde o momento de sua aquisição. Procure comprá-la em estabelecimentos de sua confiança, que tenham condições sanitárias adequadas. A carne de frango fresca tem características próprias, que a tornam fácil de ser reconhecida. A leitura deste texto levará você a identificar essas características para adquirir somente carnes de boa qualidade.

B) O produto
A carne fresca deve ter coloração brilhante, odor característico de carne fresca e uma certa elasticidade, capaz de fazê-la ceder à pressão dos dedos. A gordura deve ter coloração amarelo-clara, próxima à tonalidade da manteiga. A carne embalada a vácuo, entretanto, tem cor mais escura, o que é normal e não indica deterioração. Não deixe de verificar a data de validade do produto, que, por lei, deve estar impressa no rótulo da embalagem. Se você notar excesso de líquido dentro das embalagens, assim como manchas esverdeadas, ou se a embalagem não estiver bem aderida ao produto, não compre-o. Quando adquirir carnes congeladas, coloque-as no congelador de sua casa, no máximo, no prazo de uma hora após a compra.

C) Tipos de embalagem
Hoje encontra-se carne de frango à venda tanto no balcão do açougue como em pequenas bandejas de isopor ou em embalagens a vácuo. Prefira as carnes embaladas, tanto a vácuo como em pequenas bandejas.
Em pequenas bandejas, pode ser utilizada a “atmosfera modificada”, que nada mais é do que uma mistura de oxigênio com gás carbônico injetada na embalagem para manter a qualidade do produto e prolongar a sua vida útil. Nesse tipo de embalagem, a carne dura até dez dias em refrigerador doméstico.
Na carne embalada a vácuo, todo o oxigênio é retirado da embalagem. Essa é uma das formas mais seguras de garantir a qualidade e a durabilidade da carne, pois impede o crescimento de microrganismos que precisam de oxigênio para se manter. A carne acondicionada nesse tipo de embalagem apresenta uma coloração mais escura, mas isso é perfeitamente normal, pois se deve à falta de contato da carne com o oxigênio. Poucos minutos após a abertura da embalagem, ao entrar em contato novamente com o oxigênio, ela retornará à sua cor natural.

6) DESCONGELAMENTOS:
O segredo de um bom descongelamento é ser gradativo, ou seja, o descongelamento deve ser feito o mais lentamente possível, de maneira natural e sempre no interior do refrigerador, a uma temperatura entre 2 e 10ºC.

Durante todo o processo de descongelamento, a carne deve ser mantida na mesma embalagem em que foi congelada.

Este é um processo que requer paciência, pois a carne deverá permanecer em geladeira descongelando por no mínimo 12 horas, ou de um dia para o outro.

Caso tenha pressa em descongelar, faça isto em forno microondas, evitando ao máximo descongelar carnes em temperatura ambiente ou por imersão em água, pois isto pode contribuir para o crescimento bacteriano, aumentando a quantidade de exsudato (suco da carne), bem como sua rancificação ou perda de nutrientes.

A regra básica para se ter uma carne bem conservada com manutenção do sabor e da suculência é: congelamento rápido e descongelamento lento.

Após o descongelamento, a carne deve preferencialmente ser preparada e consumida imediatamente, pois uma vez descongelada estará sujeita à deterioração. Carne descongelada poderá ser mantida em refrigeração, porém deverá ser consumida em até 24 horas.

Deve-se tomar bastante cuidado com o líquido que escorre durante o descongelamento da carne, pois este líquido pode servir de foco de contaminação. Por isto, sempre coloque a carne para descongelar num recipiente fundo e descarte o suco. Após o uso, lave bem o vasilhame onde a carne foi descongelada.

Não é recomendável recongelar a carne crua, porém se a carne for cozida é possível o recongelamento, mas lembre-se que podem haver alterações no produto.

Bifes e hambúrgueres congelados individualmente podem ser descongelados diretamente no fogo, numa frigideira. Cozinhe sempre hambúrguer, até que não haja mais suco escorrendo ou partes de carne ainda não cozidas.

Compartilhe conosco sua experiência de realizar um armazenamento perfeito após ter lido as nossas dicas postando uma foto com a nossa hashtag #cardapiohomechefs!

#FicaaDica:
eBook Equipe sua Cozinha
Se você se interessa por ensinamentos de cozinha básica e quer ganhar um guia completo e ilustrado com nomes, descrição e aplicação de todos os acessórios necessários para equipar definitivamente a sua cozinha, precisa conhecer o nosso novo curso Domine Sua Cozinha.

O Domine Sua Cozinha é um curso muito especial que ensina de forma rápida as principais técnicas de culinária que são úteis em diversas receitas e preparos que você com certeza faz em sua casa.

Clique Aqui Para Saber Mais Sobre o Curso

2018-02-07T15:27:04-02:00 2 de fevereiro, 2018|Blog|0 Comentários

Deixe um comentário