Alimentação na gravidez: mitos e verdades

Algumas das principais dúvidas durante a gestação estão relacionadas a alimentação na gravidez. O que pode e o que não pode comer? Será que tal coisa faz mal ou não?

Não faltam pessoas e superstições antigas para poder responder essas perguntas. Porém, antes de sair adaptando a sua alimentação de qualquer jeito é importante conseguir separar o que é verdade e o que não é.

Confira agora alguns conselhos comuns dados a mulheres grávidas e descubra se eles são verdadeiros ou não.

 

1. É aconselhado tomar uma taça de vinho toda noite

Mito. O consumo de bebidas alcoólicas durante a gravidez é totalmente contraindicado, incluindo o vinho, que normalmente é tomado como uma opção saudável. Já se sabe que o álcool pode ser transmitido para o bebê através da placenta e gerar problemas na sua formação cognitiva.

Isso não quer dizer que o seu bebê vai nascer com problemas, se você se descuidar e tomar uma taça de vinho uma vez. Porém, como ainda não existe um consenso sobre a dosagem segura para gestantes, o melhor é evitar o álcool da sua alimentação na gravidez.

 

2. A alimentação na gravidez deve ser multiplicada por dois

Mito. Todo mundo já deve ter ouvido falar que “grávida come por dois”. Embora agora você esteja responsável por alimentar a si mesma e mais um serzinho, isso não significa que você deve dobrar a sua alimentação.

A quantidade de calorias, em média, que você pode acrescentar na conta do bebê são 300 por dia. Isso você consegue bebendo 2 copos de suco de laranja, por exemplo. Sendo assim, não use a gravidez como desculpa para chutar o balde na alimentação.

Mulheres que engordam muito durante a gravidez correm o risco de sofrer com hipertensão e diabetes gestacional, o que pode levar a diversos problemas, por exemplo: o parto prematuro.

 

3. Não é recomendado fazer dietas restritivas

Verdade. Assim como não é bom exagerar na alimentação nesse período, fazer dietas restritivas para perder peso também não é nada recomendado. Durante a gestação, tudo o que você come deve estar voltado para atender às suas necessidades nutricionais e do bebê. Só isso que importa.

Realizar dietas restritivas nesse momento pode causar uma deficiência nutricional e gerar consequências diretas no desenvolvimento do seu bebê. Portanto, deixa para se preocupar com a estética depois. Agora, siga as orientações do pediatra à risca.

 

4. A gestante não pode consumir adoçante

Mito. Não há evidências de que o uso de adoçantes traga algum mal para mulheres grávidas. Porém, como a necessidade calórica é maior nesse período, o uso de adoçantes se torna completamente dispensável.

 

5. Mulher grávida não pode tomar café

Mito. Tomar café durante a gestação não é danoso ao bebê, desde que esteja restrito a uma média de 300ml por dia. Essa recomendação existe por conta da cafeína presente no café. Assim, essa restrição também se estende a outros alimentos como refrigerantes de cola e chás escuros, que também possuem cafeína.

Existe uma possível relação entre a cafeína e o aumento das chance de aborto espontâneo. Mesmo que as pesquisas ainda não sejam conclusivas, vale a pena manter a margem de segurança no consumo.

 

6. Gestantes não devem consumir carnes cruas

Verdade. Se bem conservadas e manipuladas as carnes cruas não fazem mal, porém não é possível sempre ter certeza disso. O risco de uma carne crua estar contaminada é muito maior do que os outros tipos de preparo.

Por isso, deve ser totalmente evitado durante a gravidez. Deixa aquela ida no restaurante japonês para servir de comemoração pelo nascimento do seu filho.

 

7. Desejos alimentares não atendidos podem influenciar na saúde da criança

Mito. Esse é um pensamento popular mas que não tem nenhum fundamento científico. Não atender alguns desejos alimentares não trazem nenhum malefício ao bebê.

Os desejos são algo completamente normal durante a gestação e são frutos da desregulação hormonal que a mulher vive durante esse período. Por conta da mudança de humor e sensibilidade, é normal você sentir vontade de comer seus alimentos preferidos ou doces, por exemplo. Logo, não há nada o que se preocupar.

Essas foram algumas das dúvidas mais comuns em relação à alimentação na gravidez. Sobre esse tema é sempre muito importante ter cuidado com o que acreditar, afinal as suas ações influenciam diretamente na saúde do bebê. Confira sempre com o seu pediatra, antes de colocar em prática algum novo hábito alimentar.

Falando em hábitos alimentares, você sabe como montar um cardápio que atenda as necessidades de uma mulher grávida? Descubra agora as principais dicas para montar um cardápio saudável para gestante.

 

2019-06-21T11:18:38-03:00 21 de junho, 2019|Blog|0 Comentários